Arsae-MG participou no dia 10 de outubro em Itabira de uma Audiência Pública para discutir a possibilidade do SAAE (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) da cidade realizar uma Parceria Público-Privada (PPP) para fazer a expansão do sistema municipal de abastecimento por meio da captação, adução e tratamento de água do rio Tanque.

diretor geral da Agência, Gustavo Cardoso - foto abaixo-, abriu o evento e destacou o papel da regulação, a quem compete acompanhar todas as etapas do projeto, além de fiscalizar a execução e realizar - caso a PPP seja realmente concretizada - o cálculo do impacto tarifário visando sempre a modicidade tarifária. “Iremos acompanhar todas as fases desse processo, mas precisamos destacar a autonomia que o Saae possui para decidir acerca desse empreendimento, que visa garantir uma segurança hídrica para a população itabirana nos próximos 30 anos”, destacou o diretor.


Para o diretor-presidente do Saae de Itabira, Leonardo Ferreira, que fez uma apresentação aos presentes, a PPP possibilitará a captação de 200 litros de água por segundo (l/s), evitando que nos períodos de estiagem, como já ocorre, a população sofra com a falta d´água. “O Saae não conseguiria por meios próprios custear essa obra sozinho, então o caminho encontrado foi buscar investimentos privados a fim de garantir o abastecimento”, afirmou. Ele destacou o importante papel desempenhando pela Agência Reguladora.


De acordo com Leonardo, o projeto da Estação de Tratamento de Água (ETA) do Rio Tanque é a única solução a longo prazo para o abastecimento municipal. “Com essa nova fonte, a cidade terá capacidade para atrair novas indústrias. É um investimento da ordem de R$ 50 milhões, mas estamos cientes de que não resta outro caminho senão realizar a modernização, ampliação, manutenção e operação do Sistema Produtor do Rio Tanque, sendo este projeto o mais indicado para atendimento ao interesse público dos cidadãos”, garantiu.


Além do diretor Gustavo Cardoso, participaram da Audiência Pública o gerente de Ativos Regulatórios, Márcio Otávio e o analista de Regulação, Lucas Oliveira.