Entre os dias 17 e 21 de setembro, o gerente de Fiscalização Operacional Henrique Barcelos e o fiscal Marcelo de Freitas estiveram nos municípios de Curvelo e Três Marias. O objetivo foi realizar uma fiscalização operacional do serviço de esgotamento sanitário, com foco no tratamento de efluentes sanitários no Brasil, uma vez que em ambos os municípios a Copasa está implantando um processo inovador de pós-tratamento para melhoria da eficiência das estações.


Henrique aponta que em Curvelo o lançamento é realizado em um ribeirão de baixa vazão, intermitente, o que por vezes causa desconforto à população e ao prestador, ainda que a Estação de Tratamento de Esgoto alcance a eficiência mínima exigida em norma. “Para a solução dos problemas, a Copasa decidiu investir na implantação de unidades de pós-tratamento. As novas unidades, construídas com pessoal próprio do Prestador e sob coordenação do Setor de Efluentes, acrescentam um processo físico-químico de floculação e decantação, até então não utilizados para esse fim pela Companhia”, explica.


Além do pós-tratamento, o distrito, que compreende Curvelo e Três Marias, deseja melhorar o projeto paisagístico das estações, o que favorecerá visitas guiadas mais didáticas para a população, com foco nas escolas. A equipe de fiscalização da Arsae-MG sugeriu ainda uma aproximação maior com o Ministério Público, para que a eficiência das estações seja de conhecimento de todos, evitando problemas de alinhamento de informação. “As estações já estão trabalhando com eficiência acima dos 90% para remoção de sólidos e DBO (Demanda Bioquímica de Oxigênio). Apesar desses números, todo o procedimento ainda está em fase de testes e análises laboratoriais para confirmação da eficiência para outros parâmetros não menos importantes, mas sabe-se que os representantes do poder concedente e usuários já estão satisfeitos com a ação”, afirma o gerente.


Fiscalização Distrital


Nos últimos meses, a Coordenadoria de Regulação Operacional tem colocado em prática o projeto da Fiscalização Distrital que consiste em avaliar a Copasa por Distritos através de uma ferramenta criada pela Gerência de Informação Operacional e então realizar a fiscalização nos municípios que apresentarem piores indicadores.
O gerente explica que o processo é realizado através de uma análise de diversos dados dos sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário e estabelece uma comparação entre diferentes municípios de um mesmo distrito. “Durante um mês, a GFO avaliou os dados do Distrito de Betim e identificou a necessidade de visitar os municípios de Maravilhas e São Joaquim de Bicas. As fiscalizações em campo foram realizadas na primeira semana de outubro”, explica.
O Projeto de Fiscalização Distrital, que utiliza de informações e indicadores operacionais – obtidos por meio das bases de dados da Copasa que são recebidas, consolidadas e atualizadas pela GIO - permite a avaliação à distância dos serviços prestados considerando duas unidades de análise: os municípios e os distritos operacionais. “Ainda em fase de testes, espera-se que essa prática aumente a atuação da Arsae-MG, estabelecendo uma rotina de fiscalizações ativas geradas em demandas internas da Agência conforme necessidades observadas através do gerenciamento das informações”, finaliza o gerente.

 

Enviar para impressão